Estamos todos meio perdidos?

Estamos todos meio perdidos?

Não sei se você sente a mesma coisa, mas eu sinto que estamos todos meio perdidos.

Talvez você ache que é coisa minha ou da minha geração. Pode ser que você esteja totalmente bem resolvido com a sua carreira e nem pense em sair do lugar.

Mas olha, ainda que você já tenha se encontrado, pense e me responda: você tem algum amigo ou colega de profissão que esteja repensando à carreira atualmente?

Alguém que queira apertar o botão do PAUSE para pensar melhor o que quer fazer da vida?

Alguém que não para de se perguntar: É por aqui mesmo ou devo mudar a direção? Sigo o fluxo ou me arrisco a mudar? Fico quietinho aqui ou tiro aquele projeto do papel? Sonho alto ou largo pra lá?

São perguntas como essas que não saem da cabeça de muita gente.

E dá pra entender. São tantas possibilidades e caminhos que a gente fica meio perdido mesmo…

Veja o empreendedorismo digital, por exemplo. Chegou com força, trazendo mil oportunidades. Acabou com aquela história de alto investimento para fazer um negócio começar. Reduziu os custos com a operação, simplificou muita coisa.

Eu estou seguindo por esse caminho, ainda buscando me encontrar.

E tem muita gente no mesmo barco, tentando achar um trabalho que traga mais realização, sentido, significado. Ou simplesmente, algo mais flexível do que os modelos tradicionais de trabalho.

Esses dias mesmo estava conversando com um colega que formou comigo na Graduação. Fizemos Comunicação Integrada.

Conversa vai, conversa vem, ele deixa a enrolação de lado e vai direto ao ponto. Faz a pergunta que a gente fica doido pra fazer quando reencontra alguém da época da faculdade. Aquela: “E aí, tá fazendo o que?”.

Respondi que havia saído do meu emprego e, no momento, estava trabalhando por conta própria. Já ele havia saído da empresa onde ingressou como estagiário, teve rápida ascensão e atualmente coordenava uma equipe.

Pera, um minuto para processar a informação: Ele saiu da XXXX??????? (Não vou citar o nome, mas é apenas a gigante da mineração. rsrs)

Sim, era isso. E fui logo tratando de saber o que havia acontecido. Deve ter sido demitido, é claro… A crise chegou lá também…

Mas nada disso. Ele pediu demissão para abrir um negócio na internet. Uma lojinha virtual de bolos artesanais.

Não caí dura no chão porque nos últimos meses havia escutado MUITAS histórias parecidas. Sabia que ele não era o único.

Ainda assim, fiquei surpresa e soltei: “Mas nossa… saiu assim, na cara e na coragem?”.

E aí ele contou que queria abrir o negócio há muito tempo, mas morria de medo de arriscar. Sair da empresa era um plano antigo também, mas faltava coragem. “Não que aquele emprego fosse uma porcaria, só não era mais suficiente. Eu quis ir em busca do meu verdadeiro sonho”, explicou.

E não foi antes porque não podia também. Muita coisa envolvida, principalmente grana. Vida adulta, né?

Mas aí eu questionei: o que mudou agora? Você se planejou para sair e tá cheio da grana?

Aí veio a melhor parte: ele havia se planejado financeiramente sim, mas não foi isso que o fez tomar coragem para pedir demissão. O que fez a diferença mesmo foi à vontade de mudar, que foi crescendo, crescendo, crescendo, até chegar num ponto em que ele precisou parar e pensar: “E agora, o que vou fazer a respeito?”.

E eu sei do que ele tá falando. Quando chega neste ponto, você sabe que chegou a hora de mudar as coisas. E aí muda ou não…

“Mas gente, fulano era tão bom de texto… agora vai parar de escrever?” – pensei.

E aí tá a graça. Junto com a loja virtual de bolos artesanais ele criou um blog de conteúdo para confeiteiros. Ou seja, tá vendendo bolo e tá escrevendo texto. Palavras, escrita, fermento, recheio; tudo num negócio só.

E o bom é que agora ele define a pauta e aprova o texto. É o seu próprio chefe e tá feliz da vida. Seu hobby antigo virou trabalho.

E eu fui embora feliz e inspirada com mais essa história. Confesso, porém, que no fundinho da minha alma achei ele corajoso até demais. Na verdade, meio doido de se arriscar assim. As coisas não andam lá muito fáceis.

Mas o fato é que ele não se apegou a isso e deu o primeiro passo para a mudança acontecer. Se tudo der errado, o Linkedin continua lá com todos os contatos do mundo corporativo.

Então tem mais é que bancar a decisão e vender bolo. Pra quem “vendia” minério, tá mais gostoso agora, né?

E eu já me antecipei e fiz minha encomenda para o Natal. Diz que o negócio tá bom-ban-do!

Fonte:

http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/estamos-todos-meio-perdidos/107187/

Créditos da imagem:

https://pt.linkedin.com/pulse/me-sinto-perdido-profissionalmente-lenir-nunes

 

Autor: Jennyfer Gonçalves Psicóloga

Psicóloga e Orientadora Profissional

Uma consideração sobre “Estamos todos meio perdidos?”

  1. Na era da mudança de valores, onde ser é mais do que ter, é natural que as pessoas estejam se questionando e querendo alinhar propósito à profissão. Porém nem sempre são flores… Arriscar, assumir uma mudança nessa proporção requer planejamento. Caso contrário o sonho pode virar um pesadelo e uma grande frustração.
    Mas você sabia que é possível fazer um trabalho de propósito e não sem querer?
    Se você tem refletido sobre o significado e até sentido da sua profissão, talvez seja a hora de sentar e colocar essas ideias no papel, e avaliar uma possível transição de carreira.
    Vamos conversar?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s