Não estou feliz no meu trabalho, e agora?

A questão é que você tem 3 caminhos a escolher:

CONTINUAR infeliz fazendo o que faz;

CONTINUAR fazendo o que faz, mas MUDANDO O PORQUÊ FAZ E COMO FAZ (COM UM SIGNIFICADO E VALOR diferente);

OU

MUDAR para outro trabalho que possa ser mais feliz.

“A única maneira de fazer um excelente trabalho é amar o que você faz. Se você ainda não encontrou, continue procurando” – Steve Jobs

Na enquete que publiquei recentemente, pude confirmar o que já venho escutando e constatando com o meu trabalho, o quanto as pessoas estão insatisfeitas com o trabalho atual.

E o que fazer diante desta insatisfação? Qual seria o melhor conselho?

Com certeza todos nós passamos por momentos bons e ruins ao longo da vida, tanto na vida pessoal como na profissional, e sei muito bem como é difícil aceitar e lidar com os momentos difíceis. Mas o fato é que, além de fazerem parte da vida de todos seres humanos, eles têm por trás um MOTIVO, uma LIÇÃO e uma UTILIDADE.

É preciso ver que seu TRABALHO e todos os trabalhos dão trabalho; às vezes, muito trabalho. Lembre-se de que a palavra NEGÓCIO vem de “negação do ócio”, ou seja, esforço.

Mas a questão é maior do que o esforço e o estresse que o trabalho dá.

A questão é que você tem 3 caminhos a escolher:

paths2-e1331127098680

CONTINUAR infeliz fazendo o que faz;

CONTINUAR fazendo o que faz, mas MUDANDO O PORQUÊ FAZ E COMO FAZ (COM UM SIGNIFICADO E VALOR diferente);

MUDAR para outro trabalho que possa ser mais feliz.

A primeira opção é continuar infeliz, mas vai ser uma opção longa e triste. Claro que com isto você pode se tornar uma pessoa medíocre e infeliz, ou com o tempo a dor vai levá-la a uma das outras duas alternativas, depois de um tempo menor ou maior.

Na segunda opção você permanece no emprego, nem que seja durante o tempo de preparação para seguir para a terceira opção, mas vai mudar a sua forma de perceber e viver o trabalho. Precisará passar a “perceber o valor do que faz” e para “quem este valor é importante”, para que assim possa sentir que seu esforço tem valor e utilidade. Desta forma verá que seu trabalho se torna significativo e você fica mais feliz e produtivo.

Mesmo que você pense em ir para a terceira opção diretamente, aconselho a mudar a forma de perceber o seu trabalho, para evitar que você venha a repetir o mesmo processo no próximo emprego. Digo isso porque as pessoas repetem e repetem enquanto não aprenderem algumas lições e fizerem algumas mudanças necessárias em si mesmas.

Reflita sobre isto e responda:

– O que preciso aprender neste trabalho? O que este trabalho atual está me incomodando, ensinando, transformando? Que lições eu preciso aprender aqui?

– O que preciso mudar em mim mesma?

– Como vou fazer para criar estas mudanças positivas em mim e na minha vida?

A terceira opção pode ser interessante nos casos que você realmente não está feliz por não ter nada a ver com seus talentos, necessidades e objetivos. Também é necessária nos casos em que estamos trabalhando em uma empresa que não valoriza seus profissionais, um chefe que é insuportável ou onde não exista possibilidades de crescimento.

Neste caso, aconselho que antes de sair, faça os questionamentos apresentados na segunda opção pois é um importante passo para sua mudança pessoal e profissional, que evitará repetir padrões negativos. Depois, faça a sua parte no sentido de ficar atento às novas possibilidades, mantendo contato com outras pessoas e empresas, assim como aberto a outras possibilidades de trabalho e atividades, até que possa tomar a sua decisão.

Fonte Texto: https://osegredo.com.br/nao-estou-feliz-no-meu-trabalho-e-agora/

Fonte Imagem: https://epocanegocios.globo.com/colunas/Enxuga-Ai/noticia/2017/08/gestao-desafiadora-gera-satisfacao-no-trabalho.html

Fonte Imagem: http://www.rlovato.com.br/2012/03/07/caminhos-por-lucia-helena-costa/

8 motivos para fazer sua faculdade valer a pena em 2018

Falar mal da faculdade é o novo falar mal do chefe. É post viralizando no Facebook. É convite de formatura com desabafo. Falar mal do chefe sempre foi um meme*, mesmo quando nem havia cheiro de internet. Pode ser a pessoa mais ‘de luz’ que você já conheceu, vai ter reclamação. Agora é a vez da faculdade. Tem dias ruins nessa saga de ser estudante de graduação? Ô se tem. O que não dá é pra igualar tudo e todos. Aí vão 8 bons motivos para fazer valer a pena:

1- Ache sua turma. Faça bons amigos. No bar ou no TCC. Pros dias bons e ruins. Eles vão pra além daqueles muros, você vai ver.

2- Conviva com gente diferente. Raça, credo, valores, jeito de pensar. Vale aproveitar a oportunidade para, realmente, se dar conta que o mundo não é igual à sua escola, seu bairro, sua família. E isso faz um bem danado

3- A prática não é mais importante que a teoria. O aprender só na prática não vai te ensinar tudo sobre o mundo. Leitura, complexa ou não, continua sendo fundamental. Conhecer o que outras pessoas já descobriram ou pensaram, antes de você, vai te livrar de cada uma lá na frente. Acredite!

4- Ser autodidata ou aprender tudo sozinho, sem a ajuda de ninguém, nem sempre é bom. Aproveita os grupos de estudo, a monitoria, os amigos. Não dá para saber tudo sobre tudo. Aprender com o outro é possível. Inclusive, de vez em quando, na sala de aula com o professor.

5- O mundo não é uma classe alta ou média. Nem todo mundo pode deixar o Enem para depois, viver um ano sabático ou fazer trabalho voluntário. Se você pode, ótimo, mas esse não é o caso de muita gente, então, a faculdade é sim um excelente caminho para romper com uma série de padrões e ampliar as possibilidades de trabalho. Confie!

6- As atividades extracurriculares podem ser um jeito incrível de se conhecer, de saber o que você gosta e o que faz bem. Essas são as primeiras perguntas de um processo seletivo. Pergunte aos seus colegas, professores, amigos. Aproveite os vários espaços de aprendizado para buscar essas respostas e desenvolver uma inteligência tão importante quanto a intelectual: a inteligência emocional. No dia a dia de trabalho ela vai ser a número 1. E se você já trabalha, mesmo que fora da área da sua graduação, essa pode ser uma oportunidade de aprendizado.

7- Amplie seu repertório. Se isso for possível na sua faculdade ou na sua rotina, vá assistir aulas ou curse uma disciplina em outra graduação. Sabe aquela sensação de ‘eu gosto de tanta coisa’? Explore na faculdade! Vá saber se você gosta mesmo ou se é curiosidade passageira.

8- Largar ou trancar a faculdade não, necessariamente, vai te curar de uma depressão, ansiedade ou pânico. É importante falarmos sobre isso. Esses são processos complexos e doenças graves que, na maioria das vezes, não tem uma só causa ou causador. As somas das experiências difíceis na faculdade possam, claro, ser um gatilho, mas é preciso procurar ajuda médica e psicológica e entender que não é a ausência da faculdade que cura.

A faculdade não é mesmo o único jeito de viver essa lista, mas ela é, sem dúvida, um desses jeitos. Vale aumentar esse número de motivos. Pergunta pra quem já se formou há algum tempo: do que você tem saudades? Mesmo não sendo do jeito que você sonhou, o que ficou dessa experiência? Dá sim para fazer valer a pena! Quais são os seus motivos?

*meme = informação que, facilmente, se multiplica.

Créditos da imagem: https://exame.abril.com.br/carreira/as-10-faculdades-que-mais-formam-vencedores-de-premio-nobel/

Fonte: Por Renata Magliocca, Consultora de Inovação da Cia de Talentos.

10 dicas para quem quer ser inovador em qualquer área

A palavra inovação tem aparecido cada vez mais no universo do trabalho. Mas, você sabe o que ela significa de fato? Inovar é encontrar soluções estratégicas para a empresa antes que os problemas apareçam, assim o negócio se mantém competitivo. Na prática, isso representa aumento de faturamento, acesso a novos mercados, ampliação das margens de lucro, entre outros benefícios.

A necessidade de inovar não é de hoje, o que mudou é a forma como isso é visto agora. Anteriormente, a inovação estava voltada apenas para fora: novos produtos, novos negócios. Nos tempos atuais, porém, ela se volta para dentro: inovar é um modo de operar, pensar e estar nas empresas.

Uma habilidade para a inovação e que é essencial nos dias de hoje é ter a capacidade de navegar na incerteza. Por muito tempo, organizações e governos operaram com uma falsa ilusão de controle e previsibilidade de suas ações. Hoje, não temos total controle do resultado e consequência que uma ação pode gerar, portanto, se propor a inovar é justamente um convite para ocupar um lugar de vulnerabilidade, o lugar onde pode dar tudo errado, mas também o lugar onde pode dar tudo certo. Testar, ajustar, experimentar faz parte do processo de inovar.

Para quem quer ser um profissional inovador, aqui vão algumas dicas:

Não tenha pressa. A maturação de uma ideia pode levar tempo.

O nascimento de uma nova ideia acontece quando rejeitamos ou reaproveitamos ideias antigas em novas combinações.

Participe de projetos em grupos. Quem se isola, corre o risco de ficar preso a certos conceitos.

Permita-se perder o foco de vez em quando e reserve um tempo na agenda para inovar. As ideias gostam de uma dose de dispersão.

As boas ideias são flexíveis e se adaptam a novos desafios.

Aprenda que um erro serve para “adubar o terreno” em que novas ideias surgirão.

É importante anotar tudo que inspirar você “sem compromisso”.

Não se contente com a “primeira resposta”, tente encontrar mais de uma solução para cada questão.

Não é preciso que sua inovação seja uma “super ideia”, muitas vezes pode ser uma nova aplicabilidade para algo que já existe.

Busque sempre fazer parte da solução e não do problema.

Fonte:

http://www.grupociadetalentos.com.br/br/conteudo/10-dicas-para-quem-quer-ser-inovador-em-qualquer-area

Créditos da Imagem:

https://www.webdesignerdepot.com/2017/03/how-to-succeed-with-design-thinking/

Não aguento mais!

“Entendo que a família, os amigos e os nossos avós estão na torcida para dar tudo certo, mas a cada vez que me perguntam qual curso vou prestar no vestibular?” A ansiedade toma conta e fico ainda mais angustiado.

Eu, sinceramente, não sei. Fico me perguntando:

– Para que será que eu sirvo?

– Que carreira paga melhor?

– Será que depois de formado acharei emprego nesta área?”

Que bom que você sabe que todos estão torcendo muito por você e que as perguntas expressam amor, mais do que qualquer coisa.

Veja se alguma das dicas abaixo funciona para você:

1) Para saber quais atividades você é reconhecido por fazer muito bem, você pode enviar uma pergunta aos seus amigos e pessoas mais próximas por WhatsApp: “quando precisa da minha ajuda, você quer contar comigo para fazer exatamente o quê?” Isso pode ajudar a perceber alguns talentos, pois se houver alguma identificação ou característica mais forte, ela aparecerá em mais de uma resposta.

Talvez seja mais ligado a área de humanas, exatas ou biológicas. Pode ter certeza que alguma dica virá.

2) Você também pode ler sobre diferentes carreiras, basta dar uma “googlada” e uma série de informações estarão à sua disposição.

3) Converse com seus professores, eles conhecem mais do que você sobre as oportunidades de mercado.

4) Procure por profissionais que exerçam alguma carreira com a qual você se identifica para validar se é isso mesmo o que quer.

Se puder, visite a faculdade que você está pensando cursar, procure alguém do curso e converse com ela, esclareça suas dúvidas. Aliás, muitas universidades promovem encontros antes do vestibular justamente para este fim.

Às vezes, fazer uma escolha pode ser difícil, mas é parte da vida. Depois você terá que optar um trabalho, talvez um intercâmbio, uma área mais específica e é isto. Estar bem informado ajuda muito a diminuir a ansiedade, então, mãos à obra.

Fonte:

http://www.grupociadetalentos.com.br/br/conteudo/nao-aguento-mais

Créditos da imagem:

https://www.thinglink.com/scene/707393563003977730

Como diferenciar insatisfações e identificar seus propósitos de carreira

É comum, naqueles momentos de estresse, comentarmos com os colegas de trabalho sobre como é chato fazer determinada tarefa ou até mesmo suportá-la. Quando isso acontece, as frases vão desde “é um saco fazer isso” até “que P$#@? de tarefa é essa que não tem nada a ver comigo?!”.

Seja sincero, você também já passou ou passa por isso, né? O fato é que essas situações podem trazer alguns impactos para nossa carreira, sejam eles positivos ou negativos, por isso temos que nos atentar para não cair na armadilha de dilemas como: “Poxa! Queria fazer o que eu amo” ou “Eu poderia fazer algo mais voltado para meu perfil”.

Pensando nessas situações incômodas, eu acho muito importante saber que nunca conseguiremos fazer 100% o que amamos. Eu amo dormir, por exemplo, mas mesmo que eu arrumasse um emprego que minha função fosse dormir, com certeza arrumar a cama seria uma das tarefas e eu não gostaria dela.

Fazer o que se ama envolve, na verdade, algo muito maior do que suas tarefas. Está bem mais ligado aos seus propósitos. São esses propósitos que devem se unir aos da empresa e, em conjunto, ambos crescem e realizam esse processo de troca em que a realização pessoal e profissional é atendida.

Vou tentar ilustrar isso de forma bem prática, vamos lá!

Exemplo:

Local de trabalho: Consultoria de R&S

Propósito pessoal: Quero impactar positivamente a vida das pessoas

Propósito da empresa: Oferecer aos jovens as melhores oportunidades do mercado de trabalho

Processo de troca: Impacto positivo na vida de milhares de jovens. É um match entre empresa e colaborador

Neste processo ambos os desejos são atendidos!

Agora, imagine que você é um lavrador e vive de frutos plantados e colhidos em suas terras. Esses frutos são tudo o que tem para sustentar você e sua família. Para colher seus frutos, é necessário que você lance suas sementes em terra fértil e cuide dela durante seu processo de transformação. Se não fizer isso, você apenas desperdiçará sementes e tempo e a consequência disso será nenhuma colheita.

A vida do lavrador da história acima é muito parecida com a nossa carreira. Podemos colocar nosso esforço, tempo e investimento em ação para nosso crescimento ou apenas reclamar e não alcançar ou conquistar nada.

Por isso, quando bater aquela bad no trabalho não procrastine, mas busque identificar o real motivo da insatisfação. Faça uma reflexão, analise seus históricos de desempenho em suas atividades e ligue todas essas coisas ao seu perfil profissional, propósitos de vida e carreira. Fazendo todas as análises e buscando informações, talvez você se sinta mais seguro em saber se sua insatisfação é relacionada à sua tarefa ou ao seu trabalho/cargo/área de atuação. Após essa reflexão, você sentirá mais confiança na sua tomada de decisão.

O ideal para todos é fazer bem o que se gosta de fazer!

Fonte:

http://www.grupociadetalentos.com.br/br/conteudo/como-diferenciar-insatisfacoes-e-identificar-seus-propositos-de-carreira

Créditos da Imagem:

https://youngwordpresscomsite.wordpress.com/2016/03/16/a-trajetoria-profissional-de-betina-testoni/

 

 

Estamos todos meio perdidos?

Estamos todos meio perdidos?

Não sei se você sente a mesma coisa, mas eu sinto que estamos todos meio perdidos.

Talvez você ache que é coisa minha ou da minha geração. Pode ser que você esteja totalmente bem resolvido com a sua carreira e nem pense em sair do lugar.

Mas olha, ainda que você já tenha se encontrado, pense e me responda: você tem algum amigo ou colega de profissão que esteja repensando à carreira atualmente?

Alguém que queira apertar o botão do PAUSE para pensar melhor o que quer fazer da vida?

Alguém que não para de se perguntar: É por aqui mesmo ou devo mudar a direção? Sigo o fluxo ou me arrisco a mudar? Fico quietinho aqui ou tiro aquele projeto do papel? Sonho alto ou largo pra lá?

São perguntas como essas que não saem da cabeça de muita gente.

E dá pra entender. São tantas possibilidades e caminhos que a gente fica meio perdido mesmo…

Veja o empreendedorismo digital, por exemplo. Chegou com força, trazendo mil oportunidades. Acabou com aquela história de alto investimento para fazer um negócio começar. Reduziu os custos com a operação, simplificou muita coisa.

Eu estou seguindo por esse caminho, ainda buscando me encontrar.

E tem muita gente no mesmo barco, tentando achar um trabalho que traga mais realização, sentido, significado. Ou simplesmente, algo mais flexível do que os modelos tradicionais de trabalho.

Esses dias mesmo estava conversando com um colega que formou comigo na Graduação. Fizemos Comunicação Integrada.

Conversa vai, conversa vem, ele deixa a enrolação de lado e vai direto ao ponto. Faz a pergunta que a gente fica doido pra fazer quando reencontra alguém da época da faculdade. Aquela: “E aí, tá fazendo o que?”.

Respondi que havia saído do meu emprego e, no momento, estava trabalhando por conta própria. Já ele havia saído da empresa onde ingressou como estagiário, teve rápida ascensão e atualmente coordenava uma equipe.

Pera, um minuto para processar a informação: Ele saiu da XXXX??????? (Não vou citar o nome, mas é apenas a gigante da mineração. rsrs)

Sim, era isso. E fui logo tratando de saber o que havia acontecido. Deve ter sido demitido, é claro… A crise chegou lá também…

Mas nada disso. Ele pediu demissão para abrir um negócio na internet. Uma lojinha virtual de bolos artesanais.

Não caí dura no chão porque nos últimos meses havia escutado MUITAS histórias parecidas. Sabia que ele não era o único.

Ainda assim, fiquei surpresa e soltei: “Mas nossa… saiu assim, na cara e na coragem?”.

E aí ele contou que queria abrir o negócio há muito tempo, mas morria de medo de arriscar. Sair da empresa era um plano antigo também, mas faltava coragem. “Não que aquele emprego fosse uma porcaria, só não era mais suficiente. Eu quis ir em busca do meu verdadeiro sonho”, explicou.

E não foi antes porque não podia também. Muita coisa envolvida, principalmente grana. Vida adulta, né?

Mas aí eu questionei: o que mudou agora? Você se planejou para sair e tá cheio da grana?

Aí veio a melhor parte: ele havia se planejado financeiramente sim, mas não foi isso que o fez tomar coragem para pedir demissão. O que fez a diferença mesmo foi à vontade de mudar, que foi crescendo, crescendo, crescendo, até chegar num ponto em que ele precisou parar e pensar: “E agora, o que vou fazer a respeito?”.

E eu sei do que ele tá falando. Quando chega neste ponto, você sabe que chegou a hora de mudar as coisas. E aí muda ou não…

“Mas gente, fulano era tão bom de texto… agora vai parar de escrever?” – pensei.

E aí tá a graça. Junto com a loja virtual de bolos artesanais ele criou um blog de conteúdo para confeiteiros. Ou seja, tá vendendo bolo e tá escrevendo texto. Palavras, escrita, fermento, recheio; tudo num negócio só.

E o bom é que agora ele define a pauta e aprova o texto. É o seu próprio chefe e tá feliz da vida. Seu hobby antigo virou trabalho.

E eu fui embora feliz e inspirada com mais essa história. Confesso, porém, que no fundinho da minha alma achei ele corajoso até demais. Na verdade, meio doido de se arriscar assim. As coisas não andam lá muito fáceis.

Mas o fato é que ele não se apegou a isso e deu o primeiro passo para a mudança acontecer. Se tudo der errado, o Linkedin continua lá com todos os contatos do mundo corporativo.

Então tem mais é que bancar a decisão e vender bolo. Pra quem “vendia” minério, tá mais gostoso agora, né?

E eu já me antecipei e fiz minha encomenda para o Natal. Diz que o negócio tá bom-ban-do!

Fonte:

http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/estamos-todos-meio-perdidos/107187/

Créditos da imagem:

https://pt.linkedin.com/pulse/me-sinto-perdido-profissionalmente-lenir-nunes

 

Você está desmotivado no trabalho? Aprenda a aprimorar sua visão de oportunidades

Se você está desmotivado em seu trabalho, confira essas dicas que podem te ajudar.

Começa a semana e você logo fica sem energia para ir trabalhar?

Não vê a hora de chegar o fim de semana?

Não gosta de sua rotina ou preferia estar fazendo outra coisa?

Trabalha só pelo salário, sem prazer?

Se você respondeu sim para duas ou mais perguntas acima, os sinais que você anda desmotivado com o trabalho são grandes.

Para não ter sua carreira prejudicada, é importante identificar as causas de sua desmotivação para que ela não te leve a problemas maiores como, baixa de produtividade, conflitos, estresse ou até mesmo a demissão.

Muitas vezes, costumamos criticar as condições de trabalho, do tipo:

– Estou cansado de fazer as mesmas coisas;

– Meu chefe não enxerga meu trabalho;

– A empresa não me dá oportunidades de crescimento;

– Não gosto de trabalhar com fulano e ele ainda continua lá;

Entre várias outras coisas que comumente acontecem.

Mas, na maioria das vezes, o controle disso não está em nossas mãos. Então, o que podemos fazer?

Aqui vão duas questões importantes:

Visão de oportunidade e inovação – enxergar o que pode ser feito de diferente e colocar em ação (já dizia Albert Einstein: “Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes”)

Propósito – Se o seu trabalho atual não está alinhado com os seus propósitos para o futuro, é normal que seu interesse diminua. Mas dentro da empresa mesmo você pode encontrar oportunidades de melhoria, antes de tomar alguma decisão por impulso. Se o caso for mesmo de mudar de emprego ou fazer uma transição de carreira, essa decisão precisa ser muito bem planejada.

Dicas

Analise a sua situação no trabalho e veja o que é possível reverter com pequenas mudanças. Se você costuma achar que qualquer outro emprego é melhor do que o seu, você pode correr o risco de trocar de emprego e a desmotivação te perseguir.

  1. Busque oportunidades internas

Em todos os lugares existem oportunidades, elas estão espalhadas e muitas vezes vêm disfarçadas de problemas. Enxergar um desafio, uma oportunidade de aprender algo novo, de executar uma atividade diferente, de lidar com um problema desconhecido e instigante, e sair da zona de conforto: tudo isso faz bem e é necessário, pois além de sair da rotina, você ainda ganha aprendizado e mais destaque em sua área.

O segredo aqui é afiar a visão para enxergar essas oportunidades.

Que tal se candidatar para participar de um projeto que você acha interessante e pode contribuir? Ser mais participativo em reuniões? Conversar mais com a equipe para poder ajudar ou aprender algo novo?

  1. Resolva os conflitos (guardá-los só faz com que eles aumentem ou piorem)

Existem situações que ocorrem no ambiente de trabalho que vão se acumulando, e que se não forem resolvidas, vão desgastando. Aí a energia e a motivação vão embora, aos poucos. Resolver logo aquela pendência com o chefe; aquela situação que te deixou mal com o colega de trabalho; ou mesmo aquela sua ideia que fulano pode estar querendo te prejudicar: o que acha de uma boa conversa para resolver as pendências?

Funciona bem, e você verá como o clima melhora e a energia volta bem melhor.

  1. Peça feedback e alinhe as expectativas com seu chefe e equipe de trabalho

Nem todas as pessoas estão acostumadas a informar quando você acerta ou erra. Saber que está no caminho certo, conhecer exatamente o que a empresa espera de você e se você está atendendo às expectativas ou não é extremamente importante para a evolução na carreira. O desconhecimento desses fatos geram conflitos, desmotivação, estresse e baixa produtividade. Aproveite o momento para conversar com seu chefe sobre seu trabalho, sobre o que pode ser melhorado, e a partir daí ter novas perspectivas sobre seu desempenho.

Quem está ocupado reclamando não enxerga as oportunidades.

Se o seu lado “crítico reclamão” insistir em te rodear, jogue-o para o canto e comece a enxergar as oportunidades que estão a sua volta. Muita gente não as vê, então se você afiar sua visão para enxergá-las, começará a ter resultados diferentes e muito mais motivação.

Nós somos responsáveis pelas mudanças que queremos!

Mãos a obra!

 

Fonte:

http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/voce-esta-desmotivado-no-trabalho-aprenda-a-aprimorar-sua-visao-de-oportunidades/106988/

Créditos da Imagem:

http://www.medicaldaily.com/bad-day-work-can-come-good-news-employees-benefit-negative-emotions-299244

Como saber a hora certa de se demitir?

Se você está agora pensando na hora que vai chegar em casa e já implorando pela sexta-feira, é sinal de que você precisa ler este texto… E buscar algo novo pra sua vida!

Muita gente está nesse momento em um trabalho que odeia, só vegetando e fitando o relógio, suplicando pelo encontro do ponteiro que marcará o fim do expediente. Acredite, eu sei como é! Eu também já estive em um trabalho onde não era plenamente feliz. E larguei este trabalho pra me dedicar aos meus negócios pessoais e ir para o tão superestimado home office.

Era 2015. A crise política e econômica no Brasil começava a tomar forma. “Eu sai do meu trabalho de auxiliar de marketing, com carteira assinada e tudo, para virar corretor de imóveis. Comecei a trabalhar na área e conseguia tirar boas comissões. Mas, ainda assim, não estava feliz. Realmente faltava algo. Foi então que eu resolvi sair deste ramo e trabalhar fazendo artes gráficas, gerenciamento de redes sociais, criação de conteúdo e outros trabalhos de marketing para alguns clientes. Além de, é claro, escrever cada vez mais. Foi aí que eu descobri que a gente pode ser feliz fazendo o que gosta. Mesmo não ganhando muito”.

Então, se você também está nesse dilema, vou te dar algumas dicas para tentar identificar se é a hora de chutar o pau da barraca e se demitir.

A paciência acabou

Quando alguém te dá um bom dia, você responde: Bom dia por quê? Se alguém fala algo que você não gosta, já fuzila com os olhos? Tem vontade de voar no pescoço do coleguinha? É parça, sua paciência tá no limite mesmo! Esse é um grande sinal de que você já não aguenta mais o seu trabalho.

O tesão acabou

Lembra quando você foi recém-contratado? Estava louco pra mostrar serviço, queria dar dicas, ajudar, revolucionar a empresa. Mais aí viu que no dia a dia as coisas não eram assim tão empolgantes. Então, aquele tesão que você tinha quando começou se foi. Agora você vive no automático. Só faz o que pedem e, quando não pedem, aproveita pra ver o Facebook, Instragram ou ficar apenas curtindo o movimento das pessoas na rua. Mais um sinal de que está na hora de buscar um “novo amor”.

Seu compromisso com prazos e metas acabou

Levantar da cama é uma guerra! Logo, chegar no horário é uma missão quase impossível. Você também já nem se importa mais em bater metas ou fazer um serviço melhor. Já que o tesão acabou, agora vai levando tudo do jeito que dá. Quanto menos responsabilidades, melhor, né? E aí quando você começar a criar uma lista de desculpas pra faltar ou não fazer determinadas coisas no seu trabalho, aí meu querido, significa que já passou da hora de ir atrás de algo novo.

Sua moral acabou

Seu chefe nem te ouve mais, seus colegas, muito menos. Você entra, faz seu trabalho, vai embora. Parece um fantasma. Mas se você tá vivo, então tem algo errado, cara! Não dá pra viver uma vida sem ser notado, sem ter contato, sem ser desafiado. Pra quê trabalhar em um lugar que não te traz desafios, que não te projeta para o mundo, que não faz seu trabalho ser valorizado? Se você sente essa inquietude, de não querer ser apenas mais um, se quer mais, se quer ser “o cara”, então mete o pé na porta e vai à busca de algo que te traga felicidade!

A perspectiva de crescimento acabou

Você está há muito tempo na mesma função e provavelmente vai ficar aí por muito tempo. Não tem promoção, o salário não aumenta, só aumentam as dores de cabeça e os cabelos brancos, né? Talvez a empresa não tenha um plano de cargos e salários bem definido, que te dê uma noção de onde você está e até onde pode chegar.

Ou então já chegou onde queria e, mesmo assim, viu que não é tudo aquilo que imaginava. Falta algo mais. Talvez você esteja trabalhando em algo que nunca gostou de verdade e, por isso, não se vê crescendo, inovando, sendo feliz. Se você não sabe o que pretende fazer e onde pretender chegar daqui a um, cinco e dez anos, talvez seja a hora de repensar se você está no lugar certo. Um profissional que perde a capacidade de sonhar e buscar crescimento, perde o brilho no olhar, aquele sentimento de fazer mais e melhor, de ser único e fazer a diferença.

Variáveis a serem analisadas antes de pedir demissão

Antes de se demitir, pense bem. Você tem dinheiro pra ficar um tempo sem outro emprego? Já tem outro trabalho em vista? Ou pretende empreender? É bom ter uma boa reserva para imprevistos. Precisamos lembrar que não estamos em um período onde está chovendo vagas. Então, é bom sempre pensar bem. Se você tem uma casa e filhos, é mais complicado ainda! Lembre-se que você tem bocas para alimentar. Com tudo isso em mente, pondere. Converse com a sua família e quem for de sua confiança. Só você pode tomar essa decisão, então faça de acordo com o que você acredita que vai ser melhor pra você. Eu sugiro sempre pensar na sua saúde e felicidade. Afinal, com trabalho e perseverança o dinheiro a gente consegue!

Está insatisfeito com a carreira atual? Mas tem receio de mudar?

Vamos elaborar um planejamento de carreira para essa transição! Pode ser menos angustiante do que você imagina!

Jennyfer Gonçalves

Fonte:

http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/como-saber-a-hora-certa-de-se-demitir/106602/

Créditos da Imagem:

http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/a-insatisfacao-profissional/80173/

 

Comece o plano B estando no plano A

SÃO PAULO – Eis a frase que mais falo nas minhas conversas com CEOs, sejam eles meus clientes de coaching ou não: eu te entendo porque já estive aí, já passei pelo que você passa. Fazer coaching, participar em conselhos e atuar como mentor de empresários me proporciona uma fotografia atualizada das cores e temperaturas da cadeira de presidente de empresa.

A vida dos CEOs no Brasil está cada vez mais complexa, com as mudanças repentinas provocadas pela tecnologia, os novos concorrentes que surgem a cada esquina e a crise econômica que teima em não ir embora. Com a crise política que achamos que tinha passado, mas que não quer nos deixar. Com as metas que só crescem, com a matriz das multinacionais que não compreendem o que se passa aqui, com os chefes alucinados que pedem crescimento e corte de custos ao mesmo tempo. Está difícil. Eu entendo!

Se por um lado o ambiente externo nunca esteve tão desafiador — um adjetivo bonito para dificuldade –, por outro percebo os Cegos cada vez mais enterrados nas empresas tentando resolver um problema atrás do outro. E esse mergulho intenso dentro do conhecido traz efeitos colaterais importantes. Uma entropia que nem sempre permite descobrir soluções novas para problemas que também são atuais. Além disso, noto um sentimento estranho e ambíguo nas lideranças empresariais.

Vejo que alguns até apresentam um perfil de vítima, reclamando da copeira porque o café não veio acompanhado do biscoitinho que ele gosta ou porque seu prato de frutas não está tão saboroso. Mesmo assim não existe vontade de largar o osso — muito pelo contrário. Os CEOs estão cada vez mais presos à posição, ao modo de vida, imersos na rotina intensa de trabalho, viagens, metas e pressões.

Em alguns casos, é um comportamento bem similar a um vício. É curioso verificar essa vontade de que o entorno mude, mas com o desejo de continuar nele. Talvez porque a opção de simplesmente sair, e ter que assumir tarefas comuns, seja assustadora.

Um alerta: se você não quer largar o osso, ele pode querer largar você. Quando isso acontece, quase sempre é rápido, traumático e foge do seu controle. Bem diferente do que você gostaria. Se não estiver preparado para isso, esse rompimento pode ser muito doloroso.

Quem já foi demitido sabe do que estou falando. Quem ainda não foi pode evitar esse gosto amargo começando pelo básico. Recomendo duas medidas extremamente simples, mas importantes:

1) Comece por contratar um plano de assistência médica pessoal, além daquele que a empresa oferece. Se você pensa que isso é só despesa, pois já tem um plano excelente onde trabalha, experimente se imaginar correndo atrás de um plano às pressas e tendo que esperar desesperadamente a carência terminar para começar a utilizá-lo.

2) Tenha um celular e um e-mail pessoal. De novo vem aquela sensação de despesa supérflua, mas não é nada disso. Conheço CEOs que saíram da empresa sem e-mail (raro) e sem celular pessoal (comum) e ficaram muito desorientados. Tarefas simples, mas importantes como comunicar à sua rede os motivos da saída ou marcar encontros com headhunters tornam-se espinhosas, pois toda sua agenda de contatos estava em um número que não lhe pertence mais.

Óbvio? Simples? Trivial? Sim, sem dúvida. Só que muita gente não faz isso enquanto está na empresa, e depois sofre por não ter feito. O estresse está diretamente ligado à falta de escolha. Comece pelo mais básico do básico, mas depois vá aumentando as suas possibilidades e pensando nas linhas iniciais do seu plano B. O melhor momento de fazer isso é exatamente agora, enquanto você está surfando no topo do seu plano A.

Você sabia que é possível mudar de carreira com tranquilidade?

Vamos conversar!

Jennyfer Gonçalves Psicóloga

Fonte:

http://www.valor.com.br/carreira/5089566/comece-o-plano-b-estando-no-plano

Créditos da imagem:

https://leituraecontexto.blogspot.com.br/2013/05/os-planos-e-b-da-vida.html

 

A era da gestão por propósito

O primeiro passo para atender a este novo modelo de gestão no mercado de trabalho é definir o propósito.

A história do trabalho consiste em uma série de movimentos e rupturas. Atualmente uma nova ruptura começa a se estabelecer, resultado do número crescente de profissionais que atingem o auge corporativo, mas sentem um vazio. Mesmo no emprego dos sonhos, eles se perguntam: para que tudo isso? Gente boa, engajada e capaz é fundamental para ajudar a empresa a crescer. Mas quem são? O que as faz ficar? Nesse contexto de questionamentos entra em cena a Gestão por Propósito.

Para atuar com sucesso com esse modelo

O primeiro passo para atender a este novo modelo de gestão no mercado de trabalho é definir o propósito.  Há casos onde os significados são mais difíceis de se revelar. Se o médico salva vidas e o professor prepara cidadãos, o que faz um pedreiro que constrói uma Catedral? Assenta tijolos? Constrói um prédio? Ou colabora com a fé no mundo?

Compartilhar o propósito é o segundo passo. Nessa fase toda a organização deve ser informada e ter espaço para questionar e contribuir. Até o óbvio precisa ser dito, pois encontrar significado naquilo que parecia inóspito é mobilizador. O terceiro ponto importante é cultivar os propósitos.  Planta que fica sem água padece. Por isso compartilhar histórias e as boas experiências – antigas e novas – colabora para a perenidade desse modelo de gestão inspirador.

Cada projeto, iniciativa ou mudança de rumo precisa ganhar um capítulo específico de discussão de propósito. Faz-se necessário olhar o quanto estes contribuem para o propósito identificado pela organização, mostrando a concepção de unidade. Além da conexão com o macro, existem casos de frentes de trabalho com um significado por si só. Ele também precisa ser compartilhado. Assim cada um sabe da relevância daquilo que realiza, indo além do simples bater meta.

Sem um desempenho positivo, do ponto de vista financeiro, dos clientes, dos processos internos e equipe, inexiste negócio. Entretanto, com um significado maior, profissionais permanecem firmes mesmo nos momentos de crise. Cada um que se identifica com o propósito dá o algo a mais.

Mas, também pode acontecer de alguns não se identificarem com os propósitos compartilhados.  Esses indivíduos, que ficam no meio do caminho, devem ser incentivados a procurar o seu propósito em outro lugar. Passar a existência, ou parte dela, onde nada faz sentido, é desperdício de talento e de energia.

 

*Este artigo é de autoria de Maria Candida Baumer de Azevedo, diretora da consultoria People & Results, e não representa necessariamente a opinião da revista.

Fonte:

http://exame.abril.com.br/negocios/a-era-da-gestao-por-proposito/

Créditos da Imagem:

https://viverdeblog.com/proposito/