Não estou feliz no meu trabalho, e agora?

A questão é que você tem 3 caminhos a escolher:

CONTINUAR infeliz fazendo o que faz;

CONTINUAR fazendo o que faz, mas MUDANDO O PORQUÊ FAZ E COMO FAZ (COM UM SIGNIFICADO E VALOR diferente);

OU

MUDAR para outro trabalho que possa ser mais feliz.

“A única maneira de fazer um excelente trabalho é amar o que você faz. Se você ainda não encontrou, continue procurando” – Steve Jobs

Na enquete que publiquei recentemente, pude confirmar o que já venho escutando e constatando com o meu trabalho, o quanto as pessoas estão insatisfeitas com o trabalho atual.

E o que fazer diante desta insatisfação? Qual seria o melhor conselho?

Com certeza todos nós passamos por momentos bons e ruins ao longo da vida, tanto na vida pessoal como na profissional, e sei muito bem como é difícil aceitar e lidar com os momentos difíceis. Mas o fato é que, além de fazerem parte da vida de todos seres humanos, eles têm por trás um MOTIVO, uma LIÇÃO e uma UTILIDADE.

É preciso ver que seu TRABALHO e todos os trabalhos dão trabalho; às vezes, muito trabalho. Lembre-se de que a palavra NEGÓCIO vem de “negação do ócio”, ou seja, esforço.

Mas a questão é maior do que o esforço e o estresse que o trabalho dá.

A questão é que você tem 3 caminhos a escolher:

paths2-e1331127098680

CONTINUAR infeliz fazendo o que faz;

CONTINUAR fazendo o que faz, mas MUDANDO O PORQUÊ FAZ E COMO FAZ (COM UM SIGNIFICADO E VALOR diferente);

MUDAR para outro trabalho que possa ser mais feliz.

A primeira opção é continuar infeliz, mas vai ser uma opção longa e triste. Claro que com isto você pode se tornar uma pessoa medíocre e infeliz, ou com o tempo a dor vai levá-la a uma das outras duas alternativas, depois de um tempo menor ou maior.

Na segunda opção você permanece no emprego, nem que seja durante o tempo de preparação para seguir para a terceira opção, mas vai mudar a sua forma de perceber e viver o trabalho. Precisará passar a “perceber o valor do que faz” e para “quem este valor é importante”, para que assim possa sentir que seu esforço tem valor e utilidade. Desta forma verá que seu trabalho se torna significativo e você fica mais feliz e produtivo.

Mesmo que você pense em ir para a terceira opção diretamente, aconselho a mudar a forma de perceber o seu trabalho, para evitar que você venha a repetir o mesmo processo no próximo emprego. Digo isso porque as pessoas repetem e repetem enquanto não aprenderem algumas lições e fizerem algumas mudanças necessárias em si mesmas.

Reflita sobre isto e responda:

– O que preciso aprender neste trabalho? O que este trabalho atual está me incomodando, ensinando, transformando? Que lições eu preciso aprender aqui?

– O que preciso mudar em mim mesma?

– Como vou fazer para criar estas mudanças positivas em mim e na minha vida?

A terceira opção pode ser interessante nos casos que você realmente não está feliz por não ter nada a ver com seus talentos, necessidades e objetivos. Também é necessária nos casos em que estamos trabalhando em uma empresa que não valoriza seus profissionais, um chefe que é insuportável ou onde não exista possibilidades de crescimento.

Neste caso, aconselho que antes de sair, faça os questionamentos apresentados na segunda opção pois é um importante passo para sua mudança pessoal e profissional, que evitará repetir padrões negativos. Depois, faça a sua parte no sentido de ficar atento às novas possibilidades, mantendo contato com outras pessoas e empresas, assim como aberto a outras possibilidades de trabalho e atividades, até que possa tomar a sua decisão.

Fonte Texto: https://osegredo.com.br/nao-estou-feliz-no-meu-trabalho-e-agora/

Fonte Imagem: https://epocanegocios.globo.com/colunas/Enxuga-Ai/noticia/2017/08/gestao-desafiadora-gera-satisfacao-no-trabalho.html

Fonte Imagem: http://www.rlovato.com.br/2012/03/07/caminhos-por-lucia-helena-costa/

Não aguento mais!

“Entendo que a família, os amigos e os nossos avós estão na torcida para dar tudo certo, mas a cada vez que me perguntam qual curso vou prestar no vestibular?” A ansiedade toma conta e fico ainda mais angustiado.

Eu, sinceramente, não sei. Fico me perguntando:

– Para que será que eu sirvo?

– Que carreira paga melhor?

– Será que depois de formado acharei emprego nesta área?”

Que bom que você sabe que todos estão torcendo muito por você e que as perguntas expressam amor, mais do que qualquer coisa.

Veja se alguma das dicas abaixo funciona para você:

1) Para saber quais atividades você é reconhecido por fazer muito bem, você pode enviar uma pergunta aos seus amigos e pessoas mais próximas por WhatsApp: “quando precisa da minha ajuda, você quer contar comigo para fazer exatamente o quê?” Isso pode ajudar a perceber alguns talentos, pois se houver alguma identificação ou característica mais forte, ela aparecerá em mais de uma resposta.

Talvez seja mais ligado a área de humanas, exatas ou biológicas. Pode ter certeza que alguma dica virá.

2) Você também pode ler sobre diferentes carreiras, basta dar uma “googlada” e uma série de informações estarão à sua disposição.

3) Converse com seus professores, eles conhecem mais do que você sobre as oportunidades de mercado.

4) Procure por profissionais que exerçam alguma carreira com a qual você se identifica para validar se é isso mesmo o que quer.

Se puder, visite a faculdade que você está pensando cursar, procure alguém do curso e converse com ela, esclareça suas dúvidas. Aliás, muitas universidades promovem encontros antes do vestibular justamente para este fim.

Às vezes, fazer uma escolha pode ser difícil, mas é parte da vida. Depois você terá que optar um trabalho, talvez um intercâmbio, uma área mais específica e é isto. Estar bem informado ajuda muito a diminuir a ansiedade, então, mãos à obra.

Fonte:

http://www.grupociadetalentos.com.br/br/conteudo/nao-aguento-mais

Créditos da imagem:

https://www.thinglink.com/scene/707393563003977730

Vencendo a Insegurança como forma de Crescimento

Muitas vezes durante nossas vidas, tendemos a acreditar que não somos capazes de alçar voos mais altos em nossas carreiras em nossas vidas. Deixamos grandes oportunidades passarem, sem termos a iniciativa necessária para sair da zona de conforto, encarar novos desafios e fazer a diferença.

Insegurança. Sim, por insegurança deixamos grandes oportunidades passarem sem termos a coragem necessária para agarrá-las e mudar os rumos de nossas vidas.

O sentimento da insegurança é um estado de espírito, que pode estar associado a um fator psicológico desencadeado em algum momento da vida em que passamos por uma situação em que as coisas não saíram como planejado e com isso a autoconfiança foi afetada de uma forma devastadora, repercutindo, a partir de então, em todos os momentos em que seria preciso coragem para enfrentar pessoas e as mais diversas situações desafiadoras. O sentimento de incapacidade leva à falsa ideia de impotência em momentos cruciais, onde deveria prevalecer a força necessária para galgar nossos objetivos. Chamarei esta de insegurança do tipo 1.

Este tipo de insegurança é a pior, pois limita; faz a pessoa acreditar que não tem capacidade para determinados desafios e quando eles surgem tende a evitá-los, permanecendo na zona de conforto. Isso faz com que a pessoa fique estacionada, em sua carreira, em seus relacionamentos e em sua vida de forma geral.

Em outros casos, porém, a insegurança está associada à falta de preparação. Vou chamá-la de insegurança do tipo 2, ou insegurança técnica. A falta de preparação no sentido de conhecimento e habilidade gera insegurança à medida que a pessoa não possui experiência prática que sustente sua segurança. Neste caso o medo do erro domina e a insegurança prevalece.

Nota-se que existe um elevado nível de complexidade na insegurança, portanto vencê-la é algo que dependerá de um forte propósito pessoal de autoconhecimento e evolução.

Assim como em qualquer tarefa a que nos dispomos a realizar com excelência, é necessário disciplina. Vencer a insegurança exige um exercício diário de autorreflexão sobre seu potencial inato. É reconhecer fraquezas e fortalezas interiores, de forma a desenvolver pontos fracos e aperfeiçoar o que já é bom. Mas o mais importante é reconhecer-se com capacidade para realizar o que imaginar, sem limites ou restrições.

O pensamento possui um poder tangível que a ciência ainda não conseguiu decifrar por completo, porém, já se sabe que o que mentalizamos com constância se personifica em nossas vidas. Logo, se nos enxergamos como pessoas fracas, com poucas habilidades ou sem potencial, assim o seremos. Da mesma forma, se temos uma autoimagem positiva e nos enxergamos com uma pessoa cheia de qualidades, isso também se realizará. Lembre-se você é o que você acredita que você é!

Estudar e adquirir vivência prática nas mais diversas situações e atividades é o caminho para vencer a insegurança do tipo 2. As possibilidades são infinitas para quem quer adquirir experiência em diversas funções. No dia a dia, oferecer ajuda ao colega de trabalho, ser voluntário em projetos, estudar e praticar por conta própria, enfim, caberá a você escolher a forma que irá te proporcionar a experiência necessária à segurança. Mas volto a ressaltar, tudo dependerá também de sua disciplina e determinação em conseguir seus objetivos.

Portanto, vencer a insegurança e se lançar em novas oportunidades de crescimento só depende de você mesmo. Tudo é possível, basta um exercício contínuo de empoderamento pessoal e experiência. Não deixar a insegurança te segurar é a chave para uma vida bem sucedida em todas as suas vertentes.

Está inseguro? Vamos refletir juntos e buscar melhorias!

Fonte:

http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/vencendo-a-inseguranca-como-forma-de-crescimento/106898/

Créditos da Imagem:

http://www.executivosincero.com.br/2015/08/31/o-pior-de-tudo-e-essa-sensacao-brutal-de-inseguranca/

 

Eu X O mundo – Escolha e gestão da carreira

Gerir a carreira está se tornando uma tarefa bastante complexa. O mundo ficou maior, pois temos informações na ponta dos dedos, acessando facilmente o mundo através na internet, o que nos coloca diante de oportunidades e ofertas que não se imaginava algum tempo atrás. O fato do universo ter ficado maior e com muito mais opções não torna a vida, quando se trata de escolha profissional, mais fácil. Afinal, diante de tantas alternativas, a sensação de não ter feito a escolha certa ou de ter que abrir mão de muitas outras possibilidades é realmente bem angustiante.

Por outro lado, a impossibilidade de conhecer melhor tantas carreiras e a falta de incentivos para que os jovens possam conhecer minimamente diversas profissões é grande, e não é raro que acabem por escolher aquelas que tenham maior visibilidade, principalmente através das mídias – impressa, televisiva e principalmente sociais. Muitas vezes o critério de escolha é baseado em fatores externos, na sua maioria em status e remuneração.

Minha preocupação continua, pois os aspectos que apresentei até o momento estão relacionados à percepção do mundo externo que nos cerca, porém o que pode dificultar ainda mais a escolha e a autogestão da carreira é falta de autoconhecimento. Pode parecer uma palavra autoelucidativa, mas se conhecer leva tempo. Há muito pouco espaço e incentivo no meio acadêmico para aprofundar essas questões, que muitas vezes é percebida como menos importante diante das ciências duras. Refletir sobre os próprios valores, o que motiva, agrada, desagrada, entusiasma, entristece; quais são as crenças… Enfim, se reconhecer minimamente facilita a identificação de atividades que tenham maior aderência com quem se é. De certa maneira, boa parte das escolhas que fazemos na vida estão baseadas nos valores e nas crenças que possuímos. Sem ter consciência delas, as escolhas tendem a ser bem frustrantes.

É verdade também que não é possível evitar as frustrações e que viver e experimentar faz parte do processo de aprendizado e amadurecimento pessoal e profissional, mas poderia ser mais incentivada a reflexão sobre as experiências vividas, principalmente pelos mentores desses jovens, sejam eles os pais, professores e até os gestores das empresas.

Por trabalhar com carreiras e ver no dia a dia a importância de um bom mentoring na vida profissional dos alunos, costumo dizer que a sala de aula é um ótimo local para discutir sobre desenvolvimento ou início de carreira.

Mas talvez você se pergunte como engajar o estudante neste assunto. Afinal, teoricamente, ele já optou por uma profissão porque está em um curso técnico ou universitário. É aí mesmo que está a resposta: neste começo de carreira surgem dúvidas, “medos”, desafios e muitas vezes os alunos necessitam de conselhos, exemplos ou até mesmo tirar dúvidas sobre possíveis cargos que têm vontade de exercer.

O professor pode então assumir o papel de estimulador em sala de aula sempre que possível, levando os estudantes a refletirem sobre o mundo que os cerca. É importante fazer links com o mercado de trabalho, expandir o horizonte, mostrar que eles podem ser um de vocês, professores. Além do ponto-chave: compartilhar experiências. Exemplos reais são aqueles em que os alunos podem se identificar e, quem sabe, usá-los como base durante sua jornada profissional, atrelada ao que está cursando ou não.

Afinal, como disse alguns parágrafos acima, o mundo é muito grande e o leque de oportunidades também. Basta os estudantes estarem prontos para encarar os desafios que terão pela frente, utilizando a ajuda que proporcionamos um dia.

Fonte:

https://www.ibm.com/developerworks/community/blogs/05f3523c-417c-426d-8251-9d9b1486a2da/entry/eu_x_o_mundo_%E2%80%93__escolha_e_gestao_da_carreira?lang=en

Créditos da imagem:

http://blog.convenia.com.br/gestao-carreira/

Como Ajudar os Filhos na Escolha da Profissão

A fase pré-vestibular que antecede o momento da escolha da profissão do filho, costuma gerar nos pais uma certa apreensão no momento em que o filho precisa decidir o rumo de sua carreira. Muitos perdem o sono sem saber direito como agir e ajudar nessa situação tão inusitada na vida dos jovens.

Ser assertivo demais ou manter-se neutro podem ser atitudes igualmente prejudiciais nessa hora. Toda cautela é bem-vinda.

Para os adolescentes é certamente um momento de muito conflito, pois além de enfrentar as transformações desta fase (corporais, psicológicas e sociais), existe a decisão profissional a ser feita.

O atual contexto do mercado de trabalho, das empresas, e da sociedade, dentro de um mundo globalizado, dinâmico e mais competitivo, onde um bom diploma universitário por si só, não garante sucesso profissional, assim como um emprego promissor não assegura o futuro almejado, são fatores que devem ser levados em conta em um momento de escolha profissional.

Dentro deste cenário atual e ainda tendo o jovem, várias opções de cursos, o planejamento da carreira vem adquirindo grande importância, principalmente para os jovens em fase de escolha.

Todo processo de escolha profissional e planejamento da carreira deve necessariamente começar pelo autoconhecimento. Se o jovem não identifica bem seus interesses, motivações, valores, objetivos, suas potencialidades e limitações, não conseguirá fazer uma escolha profissional favorável.

Ajudar o jovem a identificar suas habilidades naturais, interesses, estimular a reflexão, são iniciativas importantes dos pais para estimular o autoconhecimento, bem como incentivar o jovem a buscar informações sobre as profissões e sobre o mercado de trabalho. Mas, é importante eles estarem atentos para o fato de que os filhos precisam se esforçar nessa missão. Eles devem apenas orientar e os jovens é que deverão ir à luta, pois o mercado de trabalho cobrará deles no futuro características de iniciativa e atitude.

De pai para filho:

Dicas de como se comportar no momento da escolha profissional dos filhos

  • Estimule a reflexão e a busca do autoconhecimento;
  • Procure não colocar sua expectativa de sucesso em cima dele;
  • Habilite-se para ouvir as angústias e interesses dele, que podem ser muito diferentes do seu neste momento;
  • Ajude o jovem a sair em busca de informações da profissão que escolheu no mercado, nas faculdades, mas não faça o serviço por ele, deixe que ele se esforce e apenas oriente;
  • Mantenha sempre aberto o diálogo. Esteja mais próximo e disponível possível;
  • Cuidado para não influenciar seu filho a abraçar uma profissão que você gostaria de ter seguido;
  • Certifique-se que ele fez de tudo para escolher o que realmente quer;
  • Esteja atento para que a escolha não esteja baseada apenas no prestígio e/ou retorno financeiro. A questão financeira é importante, mas é preciso levar em conta também outros valores; ele deve escolher algo que lhe proporcionará satisfação e realização profissional;
  • Se perceber que seu filho está com dificuldade para a escolha, o que é normal no contexto atual do mercado de trabalho indique o processo de orientação profissional para ajudá-lo.

Fonte:

http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/como-ajudar-os-filhos-na-escolha-da-profissao/25082/

Créditos da imagem:

https://www.erasto.com.br/noticias/conheca-os-5-erros-que-os-pais-cometem-na-hora-de-ajudar-seus-filhos-na-escolha-profissional

 

Importância da escolha profissional e o impacto gerado na sociedade.

O artigo em estudo propõe analisar o impacto provocado na sociedade diante da escolha profissional, baseando-se em pesquisas com alunos e professores universitários. Com base nos relatos dos entrevistados a responsabilidade do impacto na sociedade diante da escolha profissional está na forma que é tomada essa decisão, podendo ser positivo, negativo ou simplesmente não obter abalo relevante.

Todos os anos, realizam-se os concursos e vestibulares por todo o país. Para muitos estudantes este é o momento de escolher a carreira que será exercida durante a vida ou até determinado momento. Diante de pesquisas foi notado grande numero de jovens que recebem influência direta dos pais, amigos ou escolhem o que está mais próximo ou que aparentemente lhe trará maior retorno financeiro e não por vocação própria na escolha de uma profissão. Há um alto numero de acadêmicos universitários que cursam a segunda opção, que por vezes não tem nada haver com a vocação do mesmo, muitos concluem mesmo não tendo se identificado com aquela profissão.

Contudo estão ali na esperança de se identificar com aquela área, ou esperando oportunidade de fazer o curso desejado. A escolha profissional tem haver com o sentindo de satisfação, fazer aquilo que tem prazer na construção de uma carreira, infelizmente grandes partes das escolhas se respaldam na estabilidade financeira, contudo uma carreira baseada na estabilidade não significa que trará satisfação.  O impactado na sociedade diante da importância da escolha profissional pode ter abalo negativo, positivo ou simplesmente nenhum.

DESENVOLVIMENTO

A escolha profissional é somente o inicio, vários caminhos podem surgir durante a faculdade e o mercado de trabalho exige muitas vezes adaptações na carreira, neste caso, as pós-graduações e especializações podem entrar como uma mudança no rumo da carreira. É preciso deixar claro que um bom profissional não é aquele que tem as melhores notas na vida acadêmica. Mas aquele que consegue impactar a sociedade a quem presta serviço de forma positiva. Hoje, a importância da escolha profissional deve ter em mente que ao sair da faculdade vai encontrar muitos obstáculos a sua volta, não só a dificuldade de emprego como também a decepção da profissão escolhida não ser a dos sonhos. A escolha profissional pode acarretar impactos na sociedade trazendo tanto desconforto, insatisfação, frustração além de uma sociedade desorganizada e cheia de conflitos ou contrario disso.

Segundo Dias e Soares (2007), a escolha profissional faz parte de um projeto, profissional que implica pensar o futuro, construir um cenário de realizações de interesses e desejos e que deve se estabelecer a partir do autoconhecimento.

A dimensão da importância da escolha profissional deve tá relacionado com a perspectiva de continuidade da carreira. Porém muitos escolhem suas carreiras não pensando que elas serão firmadas após o período acadêmico. Muitos fatores indicam possibilidade de risco ao se pensar sobre o futuro profissional. Em pesquisa realizada 99,8% dos entrevistados disseram que o impactado que a escolha profissional vai acarretar na sociedade é do individuo tomador de decisão.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A escolha correta da profissão pode ser mais simples do que se imagina. O primeiro passo é conhecer qual é o seu perfil comportamental, é importante saber quais são suas identificações. É fato que com trabalho árduo e muita dedicação todos podem ser bem sucedidos, mas todos possuem identificações distintas que podem ajudar na escolha da carreira.

Se questionar se é comunicativo, se tem o perfil de liderança, se possui facilidade de relacionamento e, principalmente, se sabe ouvir. Os testes vocacionais não fazem milagres. Os resultados podem ser apenas indicação de um norte, mas ainda assim são inúmeras as opções de cursos. Um grande equívoco é acreditar que cursar uma faculdade, por sim só, vai garantir emprego e assegurar o sucesso profissional.

A universidade pode abrir portas na carreira, mas vale lembrar que para os especialistas, o sucesso em uma profissão depende parte de conhecimento e parte de atitude. O mais importante na escolha é ter afinidade com a escolha profissional.

Por isso é de suma importância que, ao escolher uma profissão o estudante avalie antes de fazer um vestibular a sua escolha para que no futuro não venha se arrepender e, não tendo com voltar atrás, execute a sua profissão de forma errônea criando assim impacto negativo em uma sociedade com falta de profissionais de excelência.

Vamos refletir sobre as suas identificações?

Jennyfer Gonçalves

Fonte:

http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/importancia-da-escolha-profissional-e-o-impacto-gerado-na-sociedade/105051/

Créditos da imagem:

http://www.monicadonettoguedes.com.br/educacao/quando-escolhas-acontecem.html